Carta Mensal (abril de 2022)

por Marcius Lima, Gestor de Recursos e economista formado pela Universidade de Brasília
10 de Maio de 2022, 15:10 h | por Marcius Lima, Gestor de Recursos e economista formado pela Universidade de Brasília
InvestimentoPlanejamento FinanceiroFinançasAtualidades
Análises e perspectivas sobre o mercado financeiro em abril de 2022, e os impactos nas carteiras dos investidores

O mês de abril foi marcado por uma performance fraca dos mercados globais. Um dos principais temas que explicam o que está acontecendo é a escalada da inflação mundial, causada pela alta dos preços das commodities e a volta do consumo global pós-isolamento. A guerra da Rússia contra a Ucrânia é um fator de incerteza que pressiona as commodities, principalmente o petróleo e o gás natural, o que faz com que os preços de produtos derivados aumentem. A figura abaixo exemplifica a alta do contrato de Crude Oil com vencimento em junho de 2022 (WTI).

Fonte: Rio Claro Investimentos – Contrato de Petróleo WTI

Fonte: Rio Claro Investimentos - Contrato de Petróleo WTI

Possuímos posições em commodities no exterior, que tiveram resultados positivos no mês, dado o cenário inflacionário que tende a continuar.

Como consequência da inflação generalizada, diversos países estão tomando medidas mais restritivas no que tange à política monetária. Os EUA estão subindo a taxa básica de juros e já estruturaram a diminuição de recompra de títulos mensais. Essas duas medidas tendem a diminuir a quantidade de dinheiro rodando na economia e consequentemente afetar o crescimento da mesma. O PIB americano registrou queda no primeiro trimestre, no entanto vemos a demanda doméstica ainda aquecida. O consumo, que é um dos componentes do PIB, registrou alta de 2,7%, liderado pelos bens duráveis e serviços. Estamos atentos a qualquer diminuição da atividade econômica mundial que possa afetar nossas posições em bolsa Brasil e exterior.

Um fator importante é que o Brasil está chegando próximo ao momento de fim da alta de juros. A taxa Selic em patamares altos (12,75% com perspectiva de aumento para 13,25%) torna-se cada vez mais atraente para o capital estrangeiro, que se beneficia do carry trade. Isso faz com que a procura por real aumente e, consequentemente, a moeda nacional se valorize perante o dólar. No entanto, os acontecimentos internos podem afetar tanto nossa moeda como nossa bolsa, como a crise institucional e a ampliação de medidas populistas com objetivos eleitoreiros.

Fonte: BCB – Taxa Selic

Nossas posições em títulos de renda fixa se beneficiam da alta taxa de juros e esperamos, além da alta de 100 bps já contratada para maio, no mínimo mais uma alta de 50 bps, para que a expectativa de inflação seja ancorada.

Fonte: BCB - IPCA

Em geral, ainda acreditamos que o Brasil pode ser um mercado bem posicionado no cenário internacional. Dessa forma, as posições em bolsa Brasil são parte da nossa tese de que temos um futuro bom pela frente se mantivermos os ruídos políticos sob controle e passarmos pela eleição que está por vir sem maiores percalços.

Do outro lado do mundo, o mês foi marcado pela desaceleração da China e um novo lockdown devido ao surto de Covid que está ocorrendo em Xangai, que deixou a cidade em isolamento desde o final de Março/22. No primeiro trimestre a China registrou um crescimento de 4,8% da economia (anualizado), o que foi uma surpresa positiva, no entanto, ainda abaixo do 5,5% projetado pelo governo.

Fonte: Trading Economics - Taxa de Juros da China

Dado o cenário, acreditamos que a China continuará com uma política monetária mais frouxa, com o intuito de alcançar a meta de crescimento do ano.

Em suma, o cenário mundial continua conturbado com a inflação pressionando os bancos centrais a aumentar suas taxas de juros. A consequência natural é a diminuição da atividade econômica, que pode afetar os retornos dos índices acionários mundiais. Já vemos grandes ajustes sendo feitos nos EUA, com a Nasdaq caindo em torno de 13,3% e o S&P caindo 8,8% no mês de Abril. Ao mesmo tempo o dólar fechou Abril com valorização de 3,85%, favorecendo nossas posições na moeda que utilizamos para hedge.

Continuamos atentos ao cenário global que se mostra desafiador, mas que pode trazer oportunidades interessantes para o Brasil. Abaixo, segue o resultado geral e mensal nas nossas carteiras relativas a cada perfil de investidor:

Perfil Conservador:

Retorno mensal: 0,74%

Retorno acumulado: 3,66%

Perfil Moderado Conservador:

Retorno mensal: 0,41%

Retorno acumulado: 3,16%

Perfil Moderado:

Retorno mensal: 0,21%

Retorno acumulado: 2,87%

Perfil Moderado Arrojado:

Retorno mensal: 0%

Retorno acumulado: 1,63%

Perfil Arrojado:

Retorno Mensal: -1,34%

Retorno acumulado: -0,56%

Acompanhe nossos artigos e aprenda ainda mais com a Rio Claro.

Carta Mensal (março 2022)

Análises e perspectivas sobre o mercado financeiro em março de 2022 e os devidos impactos nas carteiras dos investidores

Carta Mensal (fevereiro 2022)

Análises sobre o mercado financeiro em fevereiro de 2022 e os devidos impactos nas carteiras dos investidores.

Carta Mensal (janeiro 2022)

Análises e perspectivas sobre o mercado financeiro em janeiro de 2022 e os devidos impactos nas carteiras dos investidores

O que significa ser uma gestora de investimentos independente?

Conheça a diferença entre o mercado financeiro tradicional e o modelo inovador da Rio Claro Investimentos.
Fale conosco