Carta Mensal Rio Claro Investimentos - Fevereiro 2021

por Matheus Oliveira; Economista UnB; mestrando em economia pela Escola de Economia de São Paulo (EESP).
05 de Março de 2021, 15:10 h | por Matheus Oliveira; Economista UnB; mestrando em economia pela Escola de Economia de São Paulo (EESP).
InvestimentoPlanejamento FinanceiroAtualidades
Aumento de juros, credibilidade fiscal e a retomada econômica

Caros investidores,

Conforme comentamos na nossa Carta Mensal de janeiro, fomos cautelosos quanto à euforia do mercado ao final de 2020, mesmo que justificada. Entendemos que o crescimento de 3% projetado para o Brasil este ano advém, principalmente, de um carry over do ano de 2020, quando o PIB retraiu 4,5%. No mercado de trabalho, cerca de 14 milhões de pessoas terminaram 2020 desocupadas com destaque para o período de julho, agosto e setembro, quando a taxa de desemprego atingiu máxima histórica de 14,6% da PEA. Não obstante, o IPCA finalizou 2020 em 4,52%, acima da meta estabelecida pelo COPOM para o ano, com novo avanço de 0,86% em fevereiro de 2021 (maior valor para o mês desde 2016). Nesse contexto, esperamos o começo do ciclo de aumento de juros no Brasil possivelmente já na próxima reunião do COPOM, com um primeiro aumento mesmo frente resultados ainda ruins de atividade e emprego, que devem ser melhores no segundo semestre do ano. A expectativa é que a SELIC termine 2021 em 4% e 2022 em 5,5%. Ainda, o balanço de riscos deve levar em conta também a recuperação plena de credibilidade fiscal, fato que deveria manter as expectativas de inflação ancoradas. Entendemos que o ano de 2021 desenha um cenário mais favorável para o mundo, com grande parte dos países recuperando a atividade em formato de "V", após início do programa de vacinação em massa. No Brasil, podemos ter uma recuperação em "V" tomando proveito do aumento de preço das commodities, câmbio desvalorizado, retomada do crescimento global e da demanda chinesa, além da alta liquidez advinda dos pacotes de estímulo dos principais blocos econômicos, com aprovação da PEC emergencial, a agenda de reformas estruturais avançando, o teto fiscal sendo respeitado e a responsabilidade fiscal mantida especialmente perto do período de eleições. Assumimos também que o processo de vacinação no Brasil avance mais contundentemente e, com isso, religam-se as indústrias e reduz-se as restrições de movimento, possibilitando a retomada da prestação de serviços presenciais. Apesar do déficit acumulado de 12 meses se encontrar em cerca de 9,5% do PIB, em face do destrutivo efeito da pandemia, o congresso sinaliza a aprovação de uma nova rodada do auxílio emergencial. É importante notar que o AE sem contrapartida fiscal (por crédito extraordinário, por exemplo) renova a já fragilizada situação do déficit fiscal brasileiro. Não obstante, a troca de comando da Petrobras em reação aos seguidos aumentos de preço de combustíveis e possível pressão popular por medidas de controle de preços, também segue uma linha de governança mais intervencionista e populista, o que segue deteriorando o balanço de riscos quanto a solidez fiscal do Brasil e quanto à aceleração da inflação. A estimativa é que o novo AE gaste de R$30 bi a R$ 40 bi. Em meio à incerteza com relação às contrapartidas, a duração desse novo auxílio também gera questionamentos, podendo se estender após junho. Caso as incertezas políticas dominem nesse ano, é possível que o Brasil apresente uma recuperação em "W", mais demorada e volátil. Nos EUA, o grau de ociosidade, o comportamento benéfico dos núcleos de inflação e o programa de compra de ativos do FED (Banco Central norte americano), com uma estabilização adiante dos títulos de 10 anos em níveis mais próximos de 2%, não parece suportar a tese de aceleração da inflação com a retomada da atividade por lá. A expectativa é de aceleração do crescimento nos EUA no 2T com retirada de restrições de mobilidade e consequente reabertura da prestação de serviços. Essa expectativa acompanha novo incremento de liquidez (implementação do pacote de US$ 1,9 tri do governo Biden, que deverá ter sua provável aprovação pelo Congresso em meados de março). Também acompanhamos de perto as oportunidades de investimento em bolsa estrangeira com hedge cambial e bolsa estrangeira dolarizada frente o balanço de riscos nacional e o perfil de cada um de nossos investidores. Continuamos com nosso compromisso de performar em uma gestão cautelosa, especialmente nesses tempos de elevada incerteza. Aproveitamos para agradecer sua confiança e renovamos nosso compromisso de celeridade e profissionalismo na nossa gestão.

 

Atenciosamente,

Equipe técnica Rio Claro

 

GLOSSÁRIO

 

CARRY OVER:

Temos um carregamento estatístico ou carry over quando temos uma queda muito grande do PIB, por exemplo. Com uma retração de 4,5% e um crescimento de 3%, entendemos que parte desse crescimento é apenas uma recuperação do que foi perdido previamente e não um crescimento real.

 

PEA:

População Economicamente Ativa (PEA) é a força de trabalho potencial da economia.

 

IPCA:

É o índice de preço que usamos para medir oficialmente a inflação no Brasil. Calculado pelo IBGE e divulgado mensalmente.

 

COPOM:

É o Comitê de Política Monetária responsável por estabelecer as diretrizes da política monetária no país COPOM É o Comitê de Política Monetária responsável por estabelecer as diretrizes da política monetária no país.

 

CRESCIMENTO EM "V" VS CRESCIMENTO EM "W":

Quando temos uma recuperação em "V" digamos que é uma recessão seguida de uma recuperação rápida. Quando a recuperação é em "W" temos momentos de melhora e piora na expectativa econômica alternando diversas vezes. É uma recuperação mais lenta e incerta.

 

 

Acompanhe nossos artigos e aprenda ainda mais com a Rio Claro.

Carta Mensal Rio Claro Investimentos - Janeiro 2021

2021 e a possível retomada do crescimento.

Carta Mensal Rio Claro Investimentos - Outubro

Correção no preço das ações, incertezas frente a eleições e o cenário fiscal

É possível seguir uma política monetária expansionista no Brasil?

O que significa ser uma gestora de investimentos independente?

Conheça a diferença entre o mercado financeiro tradicional e o modelo inovador da Rio Claro Investimentos.