COE, Vale a pena?

por Pedro Jobim CFP®
01 de Maio de 2019, 11:35 h | por Pedro Jobim CFP®
InvestimentoPlanejamento Financeiro
Modalidade de investimento cada dia mais oferecido pelas corretoras, é uma boa ideia?

COE é a sigla para Certificado de operação estruturada, o que essencialmente significa qualquer coisa. Esses ativos estão cada vez mais populares e vem sendo indicados com muito afinco pelas corretoras. Se trata de um contrato entre você e o emissor do COE, no qual ele garante um certo resultado financeiro, caso algum evento de mercado se concretize. Na prática quando se adquire um COE, você está fazendo uma aposta que algo vai acontecer, dentro de um certo período. Um exemplo comum é que uma ação ou combinação de ações deva subir ou cair de preço, e caso isso não ocorra você tem algum tipo de proteção do seu capital estruturada pelo emissor.

Como todo investimento, não tem como dizer se ele é o COE é bom sem antes entender como você irá utiliza-lo. Especialmente nesse caso, uma vez que todos os COEs são completamente diferentes entre si. Entretanto, posso adiantar, até hoje não vi nenhum COE muito interessante emitido no Brasil.

O maior motivo para as corretoras se esforçarem tanto para venderem COEs, é por conseguirem ter um retorno alto de comissões tanto para instituição quanto para os seus agentes — o que quase sempre é um sinal ruim. Mais retorno para instituição financeira normalmente se traduz em menos retorno para cliente.

Na minha opinião é bem claro também que a maioria dos COEs oferecidos pelas corretoras não são estruturados para ter um bom retorno, mas sim para facilitar a sua venda — a artimanha mais comum é utilizar empresas estrangeiras populares como referencia. O investidor menos experiente acredita que existe uma análise profunda por trás da recomendação, além de achar interessante investir em ativos internacionais — Empresas como NETFLIX e Apple só crescem, não é? Qual a chance de dar errado?
É normal também confiarmos que o cenário proposto deve acontecer, afinal, deve ter sido aplicada alguma ciência por trás da indicação de uma grande corretora. Não é bem assim, normalmente é tudo feito apenas para vender o produto mais facilmente, a verdade é que ninguém sabe o futuro, você precisa “chutar” as probabilidades sozinho! A mesma estrategia acontece, por exemplo, com as carteiras de ações recomendadas pelas corretoras e vendedores de relatórios, que sempre mudam, e vem sempre acompanhadas de um “preço alvo”, o qual nunca acertam.

Assim como qualquer outro investimento, no COE você precisa analisar o Risco/Retorno! O prêmio que o COE paga em relação a outros investimentos vale a pena o risco que você esta correndo ao compra-lo? Raramente!


Aqui muitos dirão:

— Pedro o COE não tem risco! O capital é protegido!
Realmente, a maioria dos COEs apresentam estruturas de capital protegido. Onde caso o cenário proposto se realize você terá um bom rendimento e caso o não aconteça, não tem problema, o seu capital e devolvido integralmente para você! Logo sem risco certo?

ERRADO!

Mais uma vez, o motivo para a maioria das estruturas possuir capital protegido não é por esta ser a melhor maneira de se investir, mas sim por marketing: Os investidores tem uma grande aversão a perder dinheiro, mas não se preocupam muito em deixar de ganhar…
A algum tempo fiz uma enquete no meu Instagram, perguntando se havia diferença entre perder e deixar de ganhar dinheiro. Para a minha surpresa, quase 80% das pessoas falaram que havia diferença! O fato é que, pelo menos no mundo dos investimentos, é certeza que essa diferença existe apenas no emocional do investidor. Na pratica deixar de ganhar é exatamente a mesma coisa de perder, racionalidade é o segredo do sucesso nos investimentos. Se o seu COE der errado e o seu dinheiro ficar preso por 2 anos sem rendimento você terá sim uma perda bastante significativa! Tanto do rendimento que poderia ter tido, da inflação, quanto da liquidez, que, especialmente no nosso país, vale muito dinheiro!

O grande segredo para tomar decisões certas nos seus investimentos, é não se deixar enganar pelas emoções, sempre desconfie do real motivo de uma instituição financeira te indicar algo, não importa se você gosta da empresa que está investindo, o importante é saber: Dentre todas as opções que existem para seu objetivo, essa é a que apresenta o melhor retorno dentro do risco que você aceita correr? Lembrando sempre que o dinheiro tem valor no tempo, obter um rendimento nulo ou abaixo do possível é a mesma coisa de perder dinheiro!

Sendo assim tanto para o COE quanto para qualquer outro investimento, antes de investir seu dinheiro sempre se pergunte:
Qual meu objetivo? Em quanto tempo vou precisar desse dinheiro? Vale a pena perder liquidez, ou posso precisar desse capital caso apareça um imprevisto ou uma oportunidade?

Qual a probabilidade de dar certo? Do que estou abrindo mão se der errado?
Quais as outras opções? Elas são mais seguras ou mais arriscadas? O premio que eu espero receber pelo aumento do risco vale a pena?
E no caso especifico dos COEs se pergunte também: Será que eu consigo fazer uma estrutura parecida, com risco parecido, porem com a possibilidade de um retorno muito maior? Provavelmente…

Acompanhe nossos artigos e aprenda ainda mais com a Rio Claro.

Você sabe como funciona uma Gestora de Investimentos?

Conheça os processos da Rio Claro Investimentos, a primeira Gestora de Investimentos Independente de Brasília.

Notícias Econômicas da Semana: 02 de outubro, 2019

Atualizações do Brexit, processo de impeachment do Trump, cortes na taxa de juros no Brasil, Bolsonaro e a MP da liberdade econômica e muito mais! Atualiza-se com a Rio Claro. 

Notícias Econômicas da Semana: 18 de setembro, 2019

No mundo: reviravolta do Brexit, cortes nas taxas de juros na Europa, ataques na Arábia Saudita. No Brasil: reforma da Previdência e Tributária e demissão do secretário da Receita. Atualize-se com a Rio Claro!

O que significa ser uma gestora de investimentos independente?

Conheça a diferença entre o mercado financeiro tradicional e o modelo inovador da Rio Claro Investimentos.